Variabilidade de progênies F2 de amendoim geradas por meio de seleção de genitores ISSR-divergentestraespecíficos de amendoim

Roseane Cavalcanti dos Santos, Camila Marques Queiroz, Vandré Guevara Lyra Batista, Carliane Rebeca Coelho Silva, Morganna Pollynne Nóbrega Pinheiro, Antônio Lopes de Arroxelas Galvão Filho, Péricles de Albuquerque Melo Filho, Liziane Maria de Lima

Resumo


Marcadores ISSR foram utilizados para discriminar acessos intraespecíficos de amendoim e utilizar os mais divergentes para geração de variabilidade por meio de cruzamentos. Os acessos foram cultivados em casa de vegetação e aos 20 dias após o plantio foram coletadas folhas para extração de DNA e posterior ensaios de PCR-ISSR. Dez primers foram utilizados gerando bandas mono e polimórficas. Dentre eles, os mais responsivos em termos de discriminação dos acessos foram UBC-818 e UBC-842, que geraram, respectivamente, 14 e 12 bandas e taxa de polimorfismo de 64 e 83%. Os primers UBC-847 e UBC-858 geraram poucas bandas e mais de 60% foram monomórficas, de pouco valor para estudos de discriminação de acessos por meio de marcadores do tipo ISSR. Três grupos distintos foram formados no dendrograma, entre os quais, dois genótipos de maior divergência, representados pela cultivar BR 1 (precoce, de porte ereto) e a linhagem LViPE-06 (tardio e rasteiro), foram selecionados para os trabalhos de hibridação para gerar variabilidade genética. As progênies F2 resultantes apresentaram larga variabilidade genética, de grande contribuição para os trabalhos de seleção no melhoramento do amendoim. Com base nos resultados obtidos, foi possível confirmar a contribuição das ferramentas moleculares como auxiliar nos trabalhos de seleção de amendoim.


Palavras-chave


Amendoim-melhoramento genético; Hibridação vegetal

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.