Risco de degradação em solo irrigado do Distrito de Irrigação do Perímetro Araras Norte, Ceará

Luiz Carlos Guerreiro Chaves, Eunice Maia de Andrade, Lindbergue Araújo Crisostomo, Ricardo Luiz Lange Ness, José Frédson Bezerra Lopes

Resumo


Para se avaliar a adição de sais ao solo pela irrigação ao longo do tempo e o efeito das chuvas na lixiviação dos sais, tomou-se como referencial o status salino do solo da mata nativa. O trabalho foi realizado em área do Distrito de Irrigação do Perímetro Araras Norte (DIPAN), Ceará, irrigada a cinco anos por microaspersão. Foram coletadas amostras de solo na área irrigada e na mata nativa para as camadas de 0 a 0,30 m; 0,30 a 0,60 m; 0,60 a 0,90 m e 0,90 a 1,20 m, entre maio/2003 e setembro/2005. Foram considerados os seguintes atributos: Condutividade Elétrica (CE), Ca2+, Mg2+, Na+, K+ e Cl-. Para se qualificar o impacto da irrigação e o efeito das chuvas na lixiviação dos sais aplicou-se o teste t de Student ao nível de 1%. Os resultados mostraram concentrações de sais maiores na área irrigada do que na mata nativa para todas as camadas estudadas, sendo que as maiores diferenças foram registradas para a camada de 0 a 0,30 m. O magnésio foi o íon que apresentou maior influência nos valores de condutividade elétrica, enquanto o cloreto apresentou baixa concentração nas camadas inferiores. Os sais totais retidos no solo da área irrigada apresentaram diferença significativa ao nível de 1% quando comparados com os da mata nativa. A chuva total anual não foi suficiente para promover uma lixiviação significativa dos sais adicionados ao solo pela irrigação. O impacto da irrigação mostrou-se altamente significativo expressando risco de salinização da área irrigada.


Palavras-chave


irrigation, total salt, leaching, environmental impact.

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.