Avaliação de extratos vegetais no controle de mosca-branca, Bemisia tabaci biótipo B em abóbora

Bruno Marcus Freire Vieira Lima, José Osmã Teles Moreira, Carlos Alberto Aragão

Resumo


A abóbora (Cucurbita moschata Duch.) é uma cultura de importância para a agricultura familiar da região Nordeste do Brasil. No entanto, a ocorrência do prateamento das folhas da aboboreira ocasionado pela mosca-branca, Bemisia tabaci biótipo B limita sua produção, causando prejuízos aos agricultores. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de extratos vegetais sobre o nível populacional de ninfas de mosca-branca em abóbora cv. Jacarezinho. O experimento foi instalado em campo experimental, em blocos casualizados, constituído de seis tratamentos e três repetições. As aplicações dos extratos vegetais foram feitas com intervalo de sete dias, fazendo-se uso de substâncias extraídas das seguintes plantas: canudo (Ipomoea carnea subsp. fistulosa), mamona (Ricinus communis L.), tinguí (Mascagnia rigida Griseb), cardo-santo (Argemone mexicana L.), e o óleo comercial Natuneem®. Todos os extratos vegetais obtiveram eficiência no controle de ninfas B. tabaci, sendo o R. communis (75,49%), M. rigida (73,99%), I. carnea (72,24%), óleo de nim (70,4%) e A. mexicana (69,16%).

Palavras-chave


Abóbora; Inseticidas vegetais; Pragas agrícolas-controle

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.