Brazilian organic sugarcane spirits: physicochemical and chromatographic profile

Felipe Cimino Duarte, Maria das Graças Cardoso, Wilder Douglas Santiago, Ana Maria Resende Machado, David Lee Nelson

Resumo


There has been a growing demand for products from organic agriculture for the food market. Brazil leads the production of sugarcane spirits and produces about 1.6 billion liters/year. New technologies have been sought throughout the supply chain to improve production, and organic raw material has been used in the production of sugar cane for the production of beverages. This study aimed to define the physicochemical and chromatographic profiles of eleven organic sugarcane spirits samples from various Brazilian states. The secondary components and contaminants were identified and quantified through physicochemical analyses, HPLC and gas chromatography (GC). A significant percentage of the organic sugarcane spirits samples contained concentrations of components that were above the limits required by the Ministry of Agriculture, Livestock and Provisioning (MAPA), specifically the esters (18.20%), copper  and dry extract (9.10%). This contamination is caused by bad conditions employed during the production process, which are not in compliance with the good manufacturing practices determined and legislated by Brazilian law.


Palavras-chave


Identification; Quantification; Volatile Compounds; Ethyl carbamate

Texto completo:

PDF

Referências


ALCARDE, A. R.; SOUZA, P. A.; BELLUCO, A. E. S. Aspectos da composição química e aceitação sensorial da aguardente de cana-de-açúcar envelhecida em tonéis de diferentes madeiras. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 30, p. 226-232, 2010.

ANDRADE SOBRINHO, L. G. et al. Teores de carbamato de etila em aguardentes de cana e mandioca. Parte II. Química Nova, v. 32, n. 1, p. 116-119, 2009.

ANJOS, J. P. et al. Identificação do carbamato de etila durante o armazenamento da cachaça em tonel de carvalho (Quercus sp) e recipiente de vidro. Química Nova, v. 34, n. 5, p. 874-878, 2011.

AGÊNCIA BRASILEIRA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES E INVESTIMENTOS. EUA reconhece cachaça como produto brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2012.

BARCELOS, L. V. F. et al. Teores de carbamato de etila e outros componentes secundários em diferentes cachaças produzidas em três regiões do estado de Minas Gerais: Zona da Mata, Sul de Minas e Vale do Jequitinhonha. Química Nova, v. 30, p. 1009-1011, 2007.

BOGUSZ JUNIOR, S. et al. Composição química da cachaça produzida na região noroeste do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciências e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 4, p. 793-798, 2006.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 13 de 29 de junho de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, 30 de junho de 2005. Seção 1, p. 3.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica. Brasília, 2003.

CARDOSO, M. G. Produção de aguardente de cana. 3. ed. Lavras: Editora UFLA, 2013. 340 p.

CLETO, F. V. G.; MUTTON, M. J. R. Rendimento e qualidade da aguardente de cana produzida utilizando fermento tratado com ácido e fubá de milho. Stab Açúcar, Álcool e Subprodutos, v. 16, n. 2, p. 38-40, 1997.

GABRIEL, A. V. M. D. et al. Effect of the spontaneous fermentation and the ageing on the chemo-sensory quality of Brazilian organic cachaça. Ciência Rural, v. 42, n. 5, p. 918-925, maio 2012.

HARRIS, D. C. Análise química quantitativa. 7. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

MACHADO, A. M. R. et al. Determination of ethyl carbamate in cachaça produced from copper stills by HPLC. Food Chemistry, v. 138, n. 2/3, p. 1233-1238, 2013.

MADRERA, R. R.; VALLES, B. S. Determination of ethyl carbamate in cider spirits by HPLC-FLD. Food Control, v. 20, p. 139-143, 2009.

MAIA, A. B. R. A.; CAMPELO, F. A. P. Tecnologia da cachaça de alambique. Belo Horizonte: SEBRAE/MG: SINDBEBIDAS, 2006. 129 p.

MASSON, J. et al. Determination of acrolein, ethanol, volatile acidity, and copper in different samples of sugarcane spirits. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 32, p. 1-5, 2012.

MASSON, J. et al. GC-MS analysis of ethyl carbamate in distilled sugar cane spirits from the northern and southern regions of Minas Gerais. Journal of the Institute of Brewing, v. 120, n. 4, p. 516-520, Sept. 2014.

MENDONCA, J. G. P. et al. Determination of ethyl carbamate in cachaças produced by selected yeast and spontaneous fermentation. Journal of the Institute of Brewing, v. 122, n. 1, p. 63-68, 2016.

MIRANDA, M. B. de et al. Perfil físico-químico de aguardente durante envelhecimento em tonéis de carvalho. Ciências e Tecnologia de Alimentos, v. 28, p. 84-89, dez. 2008. Suplemento.

MIRANDA, M. B.; HORI, J.; ALCARDE, A. R. Estudo do efeito da irradiação gamma (60CO) na qualidade da cachaça e no tonel de envelhecimento. Ciências e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 4, p. 772-778, 2006.

NÓBREGA, I. C. C. Análise de compostos voláteis da aguardente de cana por concentração dinâmica do “headspace” e cromatografia gasosa-espectrometria de massas. Ciências e Tecnologia de Alimentos, v. 23, n. 2, p. 210-216, 2003.

PARAZZI, C. et al. Avaliação e caracterização dos principais compostos químicos da aguardente de cana-de-açúcar envelhecida em tonéis de carvalho (Quercus sp.). Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, p. 193-199, 2008.

PARK, S. et al. Analysis of ethyl carbamate in Korean soy sauce using high-performance liquid chromatography with fluorescence detection or tandem mass spectrometry and gas chromatography with mass spectrometry. Food Control, v. 18, p. 975-982, 2007.

PEREIRA, N. E. et al. Compostos secundários em cachaças produzidas no Estado de Minas Gerais Ciências e Agrotecnologia, v. 27, n. 5, p. 1068-1075, set./out. 2003.

SANTIAGO, W. D. et al. Ethyl carbamate in the production and aging of cachaça in oak (Quercus sp.) and amburana (Amburana cearensis) barrels. Journal of the Institute of Brewing, v. 120, p. 507-511, Aug. 2014a.

SANTIAGO, W. D. et al. Comparação do perfil físico-químico de cachaças envelhecidas em tonéis de carvalho (Quercus sp) e amburana (Amburana cearensis). E-xacta, v. 7, n. 7, p. 17-29, 2014b.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Potencial da cachaça brasileira. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2015.

SOUZA, L. M. et al. Teores de compostos orgânicos em cachaças produzidas na Região Norte Fluminense - Rio de Janeiro. Química Nova, v. 32, n. 9, p. 2304-2309, 2009.

VILELA, F. J. et al. Determinação das composições físico-químicas de cachaças do Sul de Minas Gerais e de suas misturas. Ciências e Agrotecnologia, v. 31, n. 4, p. 1089-1094, jul./ago. 2007.

ZACARONI, L. M. et al. Caracterização e quantificação de contaminantes em aguardentes de cana. Química Nova, v. 34, n. 2, p. 320-324, 2011.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.