Respostas fisiológicas de plantas adultas de cajueiro anão precoce à salinidade

Aiala Vieira Amorim, Enéas Gomes Filho, Marlos Alves Bezerra, José Tarquinio Prisco, Claudivan Feitosa de Lacerda

Resumo


A salinidade é um estresse que altera o desenvolvimento dos vegetais, limitando a produção agrícola. Portanto, objetivou-se no presente trabalho avaliar o efeito desse estresse no potencial osmótico, no conteúdo de solutos inorgânicos e orgânicos, nas trocas gasosas (fotossíntese, transpiração e condutância estomática) e na produção de plantas adultas de cajueiro anão precoce (Anacardium occidentale L). O experimento foi conduzido no Campo Experimental da Embrapa Agroindústria Tropical, em Pacajus, Ceará, durante os meses de agosto a dezembro de 2006. As plantas foram submetidas a níveis crescentes de salinidade, utilizando-se água de irrigação com condutividade elétrica (CEa) de 0,5 (controle); 4,0, 8,0 e 12 dS m-1. Os dados foram coletados mensalmente e submetidos à análise estatística. Apesar da condutividade elétrica do extrato de saturação (CEes) ter aumentado com a salinidade, não foram observadas diferenças significativas no potencial osmótico foliar, nas trocas gasosas ou nos teores dos solutos orgânicos e inorgânicos entre os tratamentos. Com exceção do potencial osmótico foliar e das trocas gasosas, os demais parâmetros estudados variaram ao longo do experimento em função do estádio fenológico das plantas, com os maiores valores encontrados na época de frutificação. Portanto, o estresse salino não foi suficiente para causar mudanças significativas no desenvolvimento e na produtividade das plantas estudadas.


Palavras-chave


Anacardium occidentale; Solos-salinidade; Solutos orgânicos; Solutos inorgânicos; Trocas gasosas foliares

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.