Seleção de porta-enxertos de cajueiro comum para a região Nordeste: fase de viveiro

João Rodrigues de Paiva, Levi de Moura Barros, José Jaime Vasconcelos Cavalcanti, Gleidson Vieira Marques, Alexandre Campos Nunes

Resumo


A recomendação de um clone para o plantio comercial, quando propagado por muda enxertada, requer o uso de porta-enxertos. A falta de estudos para conhecer as combinações de enxertos vs porta-enxertos com maior compatibilidade pode comprometer o plantio de clones e não garantir produtividade e uniformidade. Com o objetivo de avaliar o comportamento de oito porta-enxertos, desde a germinação da semente até a formação da muda no viveiro, sendo seis de clones de cajueiro comum e dois do tipo anão precoce, foi instalado um experimento em blocos ao acaso com 16 tratamentos (8 porta-enxertos e 2 enxertos), quatro repetições e 9 plantas por parcela, totalizando 72 plantas por porta-enxerto. Foi feita avaliação das características do peso de 100 castanhas por clone, vigor do porta-enxerto e da muda enxertada e rendimento da enxertia. Os resultados mostram que os clones CCP 06 e CCP 76 exibiram peso de castanhas 50% inferior aos clones do tipo comum; elevada porcentagem de germinação das castanhas, acima de 80%, para todos os clones, à exceção do clone Comum 36; o clone Comum 36 não apresenta potencial para formação de porta-enxertos de cajueiro; e que a manifestação de diferenças nos porta-enxertos de cajueiro, antes da enxertia, revela uma tendência que essas diferenças podem se manifestarem também na fase de produção dos clones.

Palavras-chave


Anacardium occidentale. Clone. Grafting. Vigour.

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.