Viabilidade e vigor de sementes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz pelo teste de tetrazólio

Danielle Marie Macedo Sousa, Riselane de Lucena Alcântara Bruno, Katiane da Rosa Gomes Silva, Salvador Barros Torres, Alberício Pereira Andrade

Resumo


A Caatinga apresenta ampla diversidade de espécies com potencial de exploração, dentre as quais está a catingueira (Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz) a qual se destaca pela importância nas atividades madeireira e florestal. O emprego de testes rápidos em programas de controle de qualidade de sementes é ferramenta imprescindível para avaliação de sua qualidade fisiológica. Dessa forma, objetivou-se com este trabalho desenvolver procedimentos do teste de tetrazólio para avaliar a viabilidade e vigor de sementes de P. pyramidalis. Foram testados dois procedimentos para o pré-condicionamento das sementes: entre papel toalha umedecido e diretamente em água. No preparo das sementes foram testadas a escarificação manual e corte da semente, na região oposta ao hilo. Para coloração, foram utilizadas duas concentrações da solução de tetrazólio (0,075% e 0,15%) e três períodos de coloração (30; 60 e 90 minutos), sendo as sementes distribuídas em classes de viabilidade e vigor. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 3 x 2 (anos de colheita x tempos de coloração x concentrações do tetrazólio) com quatro repetições de 25 sementes. O teste de tetrazólio foi eficiente para avaliar a viabilidade e vigor de sementes de P. pyramidalis. Após o corte da região oposta ao hilo foi realizado o pré-condicionamento diretamente em água por 24 horas a 25 ºC, quando pode-se executar a remoção do tegumento. A coloração foi obtida com a imersão da semente em solução de tetrazólio de 0,075%, por 90 minutos, a 41 °C.

Palavras-chave


Fabaceae; Espécie florestal; Caatinga; Germinação

Texto completo:

PDF

Referências


ABBADE, L. C.; TAKAKI, M. Teste de tetrazólio para avaliação da qualidade de sementes de Tabebuia roseoalba (Ridl.) Sandwith - Bignoniaceae, submetidas ao armazenamento. Revista Árvore, v. 38, n. 2, p. 233-240, 2014.

AZERÊDO, G. A.; PAULA, R. C.; VALERI, S. V. Viabilidade de sementes de Piptadenia moniliformis Benth. pelo teste de tetrazólio. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 1, p. 61-68, 2011.

BENTO, S. R. S. O. et al. Eficiência dos testes de vigor na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de mulungu (Erythrina velutina WILLD.). Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 4, p. 111-117, 2010.

BHERING, M. C.; DIAS, D. C. F. S.; BARROS, D. I. Adequação da metodologia do teste de tetrazólio para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de melancia. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 1, p. 176-182, 2005.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA, 2009. 395 p.

COSTA, C. J.; SANTOS, C. P. Teste de tetrazólio em sementes de leucena. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 2, p. 66-72, 2010.

DEMINICIS, B. B. et al. Teste de tetrazólio para avaliação da qualidade de sementes de Clitoria ternatea L. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 2, p. 54-62, 2009.

FOGAÇA, C. A. et al. Aplicação do teste de tetrazólio em sementes de Gleditschia amorphoides Taub. Caesalpiniaceae. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 3, p. 101-107, 2006.

FRANÇA-NETO, J. B.; KRYZANOWSKI, F. C.; COSTA, N. P. El test de tetrazolio en semillas de soja. Londrina: Embrapa-CNPSo, 1998. 75 p. (Embrapa-CNPSo. Documentos, 117).

GIULIETTI, A. M. et al. Diagnóstico da vegetação nativa do bioma Caatinga. In: SILVA, J. M. C. et al. Biodiversidade da caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 48-90.

GUEDES, R. S. et al. Metodologia para teste de tetrazólio em sementes de Amburana cearenses (Allemao) A.C. Smith. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 12, n. 1, p. 120-126, 2010.

LAMARCA, E. V.; LEDUC, S. N. M.; BARBEDO, C. J. Viabilidade e vigor de sementes de Caesalpinia echinata Lam. (pau-brasil - Leguminosae) pelo teste de tetrazólio. Revista Brasileira de Botânica, v. 32, n. 4, p. 793-803, 2009.

LAZAROTTO, M.; PIVETA; MUNIZ. Adequação do teste de tetrazólio para avaliação da qualidade de sementes de Ceiba speciosa. Semina: Ciências Agrárias, v. 32, n. 4, p. 1243-1250, 2011.

LEITE, A. V.; MACHADO, I. C. Biologia reprodutiva da “catingueira” (Caesalpinia pyramidalis Tul., Leguminosae-Caesalpinioideae), uma espécie endêmica da Caatinga. Revista Brasileira de Botânica, v. 32, n. 1, p. 79-88, 2009.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Londrina: ABRATES, 2015. 659 p.

MENDES, A. M. S.; BASTOS, A. A.; MELO, M. G. G. Padronização do teste de tetrazólio em sementes de Parkia velutina Benoist (Leguminosae - Mimosoideae). Revista Acta Amazônica, v. 39, n. 4, p. 823-828, 2009.

MENDONÇA, E. A. F; COELHO, M. F. B; LUCHESE, M. Teste de tetrazólio em sementes de mangaba-brava (Lafoensia pacari St. Hil. - Lythraceae). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 8, n. 2, p. 33-8, 2006.

MOORE, R. P. Handbook on tetrazolium testing. Zürich: ISTA, 1985. 99 p.

NOGUEIRA, N. W. et al. Teste de tetrazólio em sementes de timbaúba. Semina: Ciências Agrarias, v. 35, n. 6, p. 2967-2976, 2014.

OLIVEIRA, A. K. M.; SCHLEDER, E. D.; FAVERO, S. Caracterização morfológica, viabilidade e vigor de sementes de Tabebuia aurea (Silva Manso) Benth. & Hook. f. ex. S. Moore. Revista Árvore, v. 30, n. 1, p. 25-32, 2006.

OLIVEIRA, F. A. et al. Viability of Simira gardneriana M.R. Barbosa & Peixoto seeds by the tetrazolium test. Journal of Seed Science, v. 38, n. 1, p. 7-13, 2016.

PINTO, T. L. F. et al. Avaliação da viabilidade de sementes de coração-de-negro (Poecilanthe parviflora Benth. - Fabaceae - Faboideae) pelo teste de tetrazólio. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 1, p. 208-214, 2008.

SILVA, L. B. et al. Anatomia e densidade básica da madeira de Poincianella pyramidalis Tul. (Fabaceae), espécie endêmica da Caatinga do Nordeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 23, n. 2, p. 436-445, 2009.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.