Pedogenesis in a topo-climosequence in the Agreste region of Pernambuco

Carlos Roberto Pinheiro Júnior, Marcos Gervasio Pereira, Ademir Fontana, Lucia Raquel Queiroz Pereira da Luz, Thaís de Andrade Correa Neto

Resumo


The Borborema Plateau is characterized by different stages of relief evolution, which modify the climate and vegetation, and where high-altitude tropical forests can be seen surrounded by caatinga. The aim of this study was to characterize the soils of a topo-climosequence in the Agreste region of the State of Pernambuco, and evaluate the influence of the relief and climate on the pedogenesis. A topo-climosequence was selected, and trenches were opened in the geomorphological features of high-altitude forest (P1), between forest and pediplane (P2) and on a pediplanation surface (P3 and P4). A morphological description and a physical, chemical and micromorphological characterization were carried out. In general, the soils are sandy, with the predominance of a single-grain structure or weak aggregation. Higher values for pH, S, V% and assimilable P were found on the lower parts of the landscape. From the micromorphological analysis, the incipient development of pedogenic structures was detected in the C horizon in P1 and P3, clay translocation in P2 and the degradation of iron micronodules in P4. The P1 and P3 profiles were classified as Neossolos Regolíticos Distróficos espessarênicos (Regolsols), the P2 profile as a Argissolo Amarelo Distrófico típico (Alisol), and P4 as an Planossolo Háplico Eutrófico arênico (Planosol). Soil variation in the landscape was determined by climate, relief and parent material. Micromorphology was efficient in detecting attributes not seen in the field, such as incipient aggregation in the Neossolos Regolíticos (Regosols) and the degradation of iron micronodules in the Planossolo Háplico (Planosol).


Palavras-chave


Relief; Micromorphology; Sandy soils

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, L. H. C. et al. Landscape and pedogenesis of an Oxisol-Inceptisol-Ultisolsequence in Southeastern Brazil. Soil Science Society of America Journal, v. 62, n. 6, p. 1651-1658, 1998.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Secretaria-Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folhas SC. 24/25 Aracaju/Recife: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1983. 856 p.

BULLOCK, P. et al. Handbook for soil thin section description. Woverhampton: Waine Research Publishers, 1985. 152 p.

CAMPOS, M. C. C. et al. Relações solo-paisagem em uma topossequência sobre substrato granítico em Santo Antônio do Matupi, Manicoré (AM). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 35, p. 13-23, 2011.

CAMPOS, M. C. C. et al. Segmentos de vertente e atributos do solo de uma topossequência na região de Manicoré, AM. Revista Ciência Agronômica, v. 41, n. 4, p. 501-510, 2010.

CORRÊA, R. M. et al. Disponibilidade e níveis críticos de fósforo em milho e solos fertilizados com fontes fosfatadas. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 3, n. 3 p. 218-224, 2008.

DONAGEMMA, G. K. et al. Manual de métodos de análise de solos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. 230 p.

FANNING, D. S.; FANNING, M. C. B. Soil genesis, morphology and classification. Washington, USA, 1989. p. 69-80.

GONÇALVES, M. C.; MARTINS, J. C.; RAMOS, T. B. A salinização do solo em Portugal: causas, extensão e soluções. Revista de Ciências Agrárias, v. 38, n. 4, p. 574-586, 2015.

GURGEL, S. P. P. et al. Cenozoic uplift and erosion of structural landforms in NE Brazil. Geomorphology, v. 186, p. 68–84, 2013.

JACOMINE, P. K. et al. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do Estado de Pernambuco. Recife: DNPEA. Divisão de Pesquisas Pedológicas, 1972. v. 2.

KÄMPF, N.; CURI, N. Formação e evolução do solo (Pedogênese). In: KER, J. C.; SHAEFER, C. E. G. R; VIDAL-TORRADO, P. Pedologia: fundamentos. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2012. p. 207-302.

KÄMPF, N.; CURI, N. Óxidos de ferro: indicadores de ambientes pedogênicos. In: NOVAIS, R. F. et al. Tópicos em ciência do solo. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2000. v. 1, p.107-138.

LIU, W. et al. Deep weathering along a granite ridgeline in a subtropical climate. Chemical Geology, v. 427, p. 17-34, 2016.

MEDEIROS, P. S. C. et al. Caracterização e classificação de solos graníticos em topossequência na região Sul do Brasil. Ciência Rural, v. 43, n. 7, p. 1210-1217, 2013.

MIREILES, H. et al. Relação solo-paisagem em topossequência de origem basáltica. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 42, n. 2, p. 129-136, 2012.

NOVAES FILHO, J. P. et al. Indicativos de descontinuidade litológica de regolitos derivados de granitos em uma microbacia sob floresta Amazônica, em Juruena-MT. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 36, n. 2, p. 317-324,2012.

OLSEN, S. R. et al. Estimation of available phosphorus in soils by extraction with sodium bicarbonate. Washington: United States Department of Agriculture, 1954. 19 p. (Circular 939).

PEDRON, F. A.; AZEVEDO, A. C.; DALMOLIN, R. S. D. Alteração mineralógica de Neossolos em uma climo-litossequência no Planalto do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, v. 42, n. 3, p. 451-458, 2012

RODAL, M. J. M.; BARBOSA, M. R. V., THOMAS, W. W. Do the seasonal forests innortheastern Brazil represent a singlefloristic unit? Brazilian Journal of Biology, v. 68, n. 3, p. 467-475, 2008.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília, DF: Embrapa, 2013. 353 p.

SANTOS, J. C. B. et al. Caracterização de Neossolos Regolíticos da região semiárida do estado de Pernambuco. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 36, p. 683-695, 2012.

SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 7. ed. Viçosa,MG: SBCS, 2015. 100 p.

SOUZA, R. V. C. C. et al. Caracterização de solos em uma topoclimossequência no Maciço de Triunfo - Sertão de Pernambuco. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 34, p. 1259-1270, 2010.

YEOMANS, J. C.; BREMNER, J. M. A rapid and precise method for routine determination of organic carbon in soil. Communication in Soil Science Plant Analysis, n. 19, p. 1467-1476, 1988.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.